quarta-feira, 6 de abril de 2011

Os 10 melhores filmes brasileiros


10 - Treze cadeiras


Oscarito interpreta Bonifácio, um barbeiro do interior que recebe de uma tia de herança uma mansão na cidade, mas o imóvel é confiscado e ele acaba ficando apenas com 13 cadeiras. Após vendê-las, desespera-se ao descobrir que a falecida havia escondido uma fortuna no estofamento de uma delas. Junto com a dançarina de cabaré Ivone (Renata Fronzi), ele tentará então reavê-las, se envolvendo em muita confusão. Filme baseado no romance russo "As 12 cadeiras". A história do orinalmente se passa na Rússia na época da revolução bolchevique. (fonte: Wikipédia)


9 - Independência ou Morte


Independência ou morte é um filme brasileiro de 1972, do gênero drama histórico dirigido por Carlos Coimbra para celebrar o sesquicentenário da independência do Brasil.
Uma visão heróica e quase mítica do processo que levou à emancipação política do Brasil em relação a Portugal.
O filme mostra o caso extraconjugal do príncipe/imperador com a Marquesa de Santos, mas com um tom romântico de amor impossível, sem mencionar outras aventuras, ao contrário do que seria mostrado na minissérie O quinto dos infernos, décadas depois. (fonte: Wikipédia)


8 - O Guarani



O Guarani (1996) é uma das muitas versões cinematográficas do romance homônimo de José de Alencar.
A trilha sonora é de Wagner Tiso, com música incidental Il Guarany, de Carlos Gomes. (fonte: Wikipédia)





7 - Se eu fosse você



Se Eu Fosse Você é um filme brasileiro de 2005, do gênero comédia romântica, dirigido por Daniel Filho e estrelado por Glória Pires e Tony Ramos.
Com o sucesso do filme, houve uma continuação, Se Eu Fosse Você 2, que é a segunda parte da história, logo após os eventos ocorridos no primeiro longa.
Cláudio e Helena são um casal rotineiro, e deverás isso, possuem algumas discussões. Ele, publicitário bem sucedido e ela, professora de música, após discutirem e começarem estranhamente a falar as mesmas palavras juntos, e na mesma hora, quando despertam no dia seguinte após adormecerem logo após tais eventos ocorridos, percebem-se que estão em corpos trocados: Helena está no corpo de Cláudio e vice-versa.
Tendo que enfrentar tal acontecimento inusitado e até então inédito para ambos, juntos terão que assumir a vida um do outro, e aprenderão a ver o ponto de vista de cada qual sob um novo ângulo, que até então fora superficialmente sentidos por eles, e que agora, são intensamente vividos. (fonte: Wikipédia)



6 - Carlota Joaquina – Princesa do Brazil



Carlota Joaquina, Princesa do Brazil é um filme histórico e satírico, lançado em 1995. Tendo apresentado alguns erros históricos. Foi estrelado por Marieta Severo e Marco Nanini. É o primeiro filme dirigido por Carla Camurati e também, o primeiro da atriz Ludmila Dayer que interpretou Carlota Joaquina de Bourbon na infância.
O filme conta, satiricamente, parte da história da monarquia portuguesa, e a elevação do Brasil, de colônia do império ultramarino português, a reino unido com Portugal. Também faz referências a monarquia espanhola. A morte do rei de Portugal D. José I de Bragança, em 1777, e a declaração de insanidade da filha herdeira do precedente, a rainha D. Maria I, em 1792, levam seu filho, o então príncipe D. João de Bragança e sua esposa, a infanta espanhola Carlota Joaquina de Bourbon, ao trono real português. Em 1807, para escapar das tropas napoleônicas que invadiam Portugal, a corte portuguesa e o casal transfere-se às pressas para o Rio de Janeiro, onde a família real e grande parte da nobreza portuguesa vive exilada por 13 anos. Na colônia aumentam os desentendimentos entre Carlota Joaquina e D. João VI, que após a morte da mãe, D. Maria I, deixa de ser príncipe-regente e torna-se rei de Portugal e, posteriormente, rei do reino unido de Portugal, Brasil e Algarves. (fonte: Wikipédia)





5 - Nosso Lar


Nosso Lar é um filme de longa metragem brasileiro, dirigido e roteirizado por Wagner de Assis, baseado na obra homônima escrita através de psicografia pelo médium Chico Xavier, sob a influência do espírito André Luiz.
O ator que representa André Luiz, o personagem principal da história, é Renato Prieto. O filme conta com alguns atores e atrizes bastante conhecidos da teledramaturgia brasileira como Othon Bastos, Ana Rosa e Paulo Goulart, dentre outros. Tendo sido gravado durante os meses de julho, agosto e setembro de 2009 em locações no Rio de Janeiro e Brasília, foi lançado em 3 de setembro de 2010, tendo alcançado um público de 1.6 milhão de espectadores em 10 dias de exibição.

Desenhos minuciosos e detalhados do mapa da cidade "Nosso Lar" assim como a arquitetura das edificações, ministérios e casas, foram criados pela médium Heigorina Cunha através de suas observações realizadas durante suas saídas do corpo (desdobramento) em março de 1979, conduzidas e orientadas pelo espírito Lucius. Seus desenhos foram esclarecidos e confirmados por Chico Xavier de que se tratava realmente da cidade “Nosso Lar”  e mais tarde serviram de inspiração para criar o visual arquitetônico da cidade que se vê no filme.
Ao despertar no Mundo Espiritual, André Luiz se depara com criaturas assustadoras e sombrias vivendo, juntamente com ele, neste lugar escuro e sombrio. Além disso, ele também se assusta por perceber que apesar de ter "morrido" ele ainda continua vivo e ainda sente fome, sede, frio e outras sensações materiais. Após um longo período de sofrimento ele é recolhido dessa zona de sofrimento e purgação de falhas do passado por espíritos do bem e é levado para a Colônia Espiritual Nosso Lar, de onde surge o nome do filme. A partir desse momento ele começa a conhecer melhor a vida no além-túmulo e a aprender lições e adquirir conhecimentos que mudarão completamente o seu modo de enxergar a vida.
Tendo então tomado consciência de que está desencarnado (morto), sente imensa vontade de voltar à Terra para visitar e rever parentes próximos de quem guarda imensa saudade. Entretanto, como narra a sinopse do site oficial do filme, isso acontece só para que ele perceba "a grande verdade - a vida continua para todos". (fonte: Wikipédia)





4 - Trair e coçar é só começar



Trair e Coçar É só Começar é um filme brasileiro de 2006, do gênero comédia, dirigido por Moacyr Góes e baseado na peça teatral Trair e coçar é só começar, de Marcos Caruso.
O filme foi produzido por Diller Trindade, a direção de fotografia é de Cezar Moraes, a direção de arte de Paulo Flaksman, os figurinos de Luciana Maia, a cenografia de Ana Schlee, a trilha sonora original de Ary Sperling, a edição de som de José Moreau Louzeiro e Vinicius Leal, e a mixagem de Cláudio Valdetaro.
Uma empregada doméstica intrometida causa várias confusões num condomínio de classe média alta ao desconfiar que seus patrões têm casos amorosos extra-conjugais. (fonte: Wikipédia)





3 - Lisbela e o Prisioneiro



Lisbela e o Prisioneiro é um filme brasileiro de 2003, do gênero comédia romântica, dirigido por Guel Arraes. É uma adaptação da peça de teatro homônima de Osman Lins. O filme é uma produção da Globo Filmes e da Natasha Filmes, junto com o estúdio Twentieth Century Fox.
Conta a história do malandro, aventureiro e conquistador Leléu e da mocinha sonhadora Lisbela, que adora ver filmes norte-americanos e sonha com os heróis do cinema.
Lisbela está noiva e de casamento marcado, quando Leléu chega à cidade. O casal se encanta e passa a viver uma história cheia de personagens tirados do cenário nordestino: Inaura, uma mulher casada e sedutora (Virginia Cavendish, de O Cravo e a Rosa , Dona Flor e seus Dois Maridos e O Auto da Compadecida) que tenta atrair o herói; um marido valentão e "matador", Frederico Evandro (Marco Nanini, de Carlota Joaquina, Princesa do Brazil e O Auto da Compadecida); um pai severo e chefe de polícia, Tenente Guedes (André Mattos, de Como Nascem os Anjos); um pernambucano com sotaque carioca e gírias paulistas, Douglas (Bruno Garcia, de Os Maias e O Quinto dos Infernos), visto sob o prisma do humor regional; e um "cabo de destacamento", Cabo Citonho (Tadeu Mello, da trilogia A era do gelo , Xuxa e os Duendes e Didi, O Cupido Trapalhão), que é suficientemente astuto para satisfazer os seus apetites.
Lisbela e Leléu vão sofrer pressões da família, do meio social e também com as suas próprias dúvidas e hesitações. Mas, em uma reviravolta final, cheia de bravura e humor, eles seguem seus destinos. Como a própria Lisbela diz, a graça não é saber o que acontece. É saber como acontece e quando acontece. (fonte: Wikipédia)





2 - Auto da compadecida



O Auto da Compadecida é um filme brasileiro de 2000, uma comédia dirigida por Guel Arraes, com roteiro dele e de Adriana Falcão. Baseado em obra homônima de Ariano Suassuna, com elementos de O Santo e a Porca e Torturas de um Coração, ambas do mesmo autor.
As aventuras de João Grilo (Matheus Natchergaele), um sertanejo pobre e mentiroso, e Chicó (Selton Mello), o mais covarde dos homens. Ambos lutam pelo pão de cada dia e atravessam por vários episódios enganando a todos da pequena cidade em que vivem. (fonte: Wikipédia)





1 - Olga


Olga é um filme brasileiro realizado em 2004 pelo diretor Jayme Monjardim, inspirado na biografia escrita por Fernando Morais sobre a alemã, judia e comunista Olga Benário Prestes. No filme, estrelam Camila Morgado como a protagonista, Caco Ciocler tambem como Luís Carlos Prestes e Fernanda Montenegro como Dona Leocádia Prestes, mãe de Luís Carlos Prestes.
Olga foi um grande sucesso de bilheteria; 385 mil pessoas o assistiram apenas no fim de semana de estréia no Brasil.
A obra também recebeu três prêmios no Grande Prêmio Brasileiro de Cinema de 2005, mas teve recepção negativa das imprensas brasileira e alemã. (fonte: Wikipédia)

11 comentários:

  1. Se eu fosse vc.
    Lisbela.
    E o Auto da compadecida sao muito bons.
    O auto é fantástico. Acho q um dos filmes que eu mais assisti.rs
    O livro apesar de ser diferente é muuuito bom tbm!

    Os outros nao conheço.oO
    Mas devem ser bons, principalmente os que possuem um contexto historico legal!

    ^^

    Ahh, tem outros filmes mto bons, o cinema brasileiro quando nao apela é muito bom!!

    ResponderExcluir
  2. O décimo e o nono eu nunca assisti. Nunca vi um filme do Oscarito.
    Gosto muito de Carlota Joaquina, Lisbela, O auto da Compadecida e Se eu Fosse Você.
    Senti falta de Carandiru na lista e Abril Despedaçado.

    Gostei.

    Acho que o cinema brasileiro está cada dia melhor.

    ResponderExcluir
  3. Oi

    Eu adorei o Se eu fosse você e o alto da compadecida, gosto de filmes que me fazem rir, tenha uma história diferente e um bom texto. Os outros eu não vi ainda.

    @anakint

    ResponderExcluir
  4. Adoro "Se eu Fosse Você" e "Lisbela e o Prisioneiro"! =D

    ResponderExcluir
  5. FILME MARAVILHOSO,OS BRASILEIROS ESTÃO CADA VEZ MODERNOS MTO CRIATIVOS LEMBRO QUE ELES USARAM ESPUMA PARA USAR NA NEVE, MTO LEGAL, E EU TINHA PENSADO QUE TINHA IDO FILMAR FORA DO BRASIL MAIS NÃO, PARABÊNS ESSE FILME FOI O QUE EU MAIS GOSTEI

    ResponderExcluir
  6. Prefiro o Se Eu Fosse Você 2 e pra mim faltou o Tropa de Elite 2. O único brasileiro na minha lista de favoritos.

    ResponderExcluir
  7. Se eu fosse você-bem legal, já vi os 2 filmes, o Tony e a Gloria estão ótimos.

    Carlota Joaquina-tem um enredo legal, além de abordar temas importantes.

    Trai e coçar é só começar(amei esse filme, muito bom, Adriana nos mostrando um pouco mais seu lado comediante, as caras e bocas que ela faz...

    Lisbela e o prisioneiro-Muito bom
    Auto da compadecida- É um de meus filmes favoritos(nacional.

    Olga Muito bom,apesar que mostrou uma pequena parte da história real.

    Me empolguei rs..
    Muito bom o top 10!

    @gil_esmalteira

    ResponderExcluir
  8. Só assis ti dois
    Se eu fosse você
    E lisbela e o prisioneiro

    Adorei Seu eu fosse você

    ResponderExcluir
  9. Ah, mais tem tanto filme brasileiro bom ! Eu adorei Narradores de Javé, Via Lactea, O que é isso companheiro ?, Reflexões de um Liquidificador, lembrando dos antigos São Paulo S.A.

    ResponderExcluir
  10. Oiie..Bom eu não assistir nenhum deles..rs
    Não gosto de Filmes brasileiro.
    Beiijo

    ResponderExcluir